Início do conteúdo

Gestão sistêmica


O CFMA foi concebido e é administrado com visão sistêmica. A começar por parte de suas instalações, que preveem o uso condominial pelo conjunto das unidades da Fiocruz e de seus parceiros nas atividades de educação e pesquisa.

Para tanto, o Campus dispõe de salas de aula, auditórios para conferências, pátios para atividades externas e equipamentos de audiovisual. Seu território também é utilizado como ambiente natural para pesquisas da Fiocruz em biodiversidade, zoonoses, biossegurança de trabalho de campo, entre outras atividades. Além disso, o CFMA acolhe ou poderá acolher setores e laboratórios das unidades das unidades da Fundação.

As ações do CFMA são norteadas por dois eixos estratégicos da Fiocruz:

Saúde, Ambiente e Sustentabilidade – Abrange um conjunto de iniciativas relacionadas à gestão ambiental e de saúde, particularmente nos campi da Fiocruz e áreas adjacentes. Visa contribuir para a formulação e implantação de políticas públicas integradas de saúde, ambiente e desenvolvimento sustentável.

Ciência e Tecnologia, Saúde e Sociedade – Reúne proposições afins com a área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, incluindo também iniciativas e estratégias relacionadas às áreas de informação e comunicação e à preservação e difusão do patrimônio histórico da Fiocruz.

Com visão abrangente, o CFMA articula esses dois eixos em uma gestão integrada e sistêmica, apoiada em três plataformas, cujos projetos buscam também contribuir para a saúde e o desenvolvimento sustentável locais.

Conheça as plataformas:

- Saúde e Ambiente – Promove a coexistência em equilíbrio dinâmico, saudável e sustentável da ocupação humana, em comunhão com os fatores físicos e biológicos no trecho da Mata Atlântica situado no Campus e vizinho da antiga Colônia. Neste sentido, seus projetos são desenvolvidos de forma complementar, visando constituir um ambiente saudável: restaurando processos ecológicos, viabilizando seu enriquecimento (restauração ecológica com espécies da Mata Atlântica e proteção da fauna autóctone), o controle das zoonoses e a geração de renda com produção agrícola sustentável para os moradores locais, de forma a diminuir sua pressão sobre o ambiente e incrementar a biodiversidade.

- Gestão Territorial e Articulação de Políticas Públicas – Contribui para a territorialização de políticas públicas, tendo como diretriz o desenvolvimento equânime e sustentável a partir da integração intersetorial, com impacto nos determinantes sociais de saúde, na melhoria da saúde urbana e no fortalecimento do SUS.

- Educação Não Formal para a Cidadania e Tecnologias Sociais – Promove ações educativas para a consolidação dos direitos à cidade e à saúde, mediante a construção compartilhada de conhecimentos e em diálogo permanente com movimentos sociais e populares, além de desenvolver tecnologias sociais que contribuam para arranjos produtivos locais. 

Voltar ao topoVoltar