Início do conteúdo

24/07/2017

Acompanhe pela internet o lançamento da Revista Saúde em Debate


Por: Daiane Batista (CEE-Fiocruz)

A relação da saúde com o mundo do trabalho e os processos produtivos tais como se apresentam hoje, bem como com o desequilíbrio e a poluição ambiental, que têm contribuído para a mudança climática, a crise hídrica e o consequente aumento e reincidência de doenças, será analisada no evento de lançamento do número temático Saúde, Trabalho e Ambiente da Revista Saúde em Debate, dia 24/7/2017, às 10h, no Salão Internacional da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz). O evento busca divulgar a produção do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Ensp/Fiocruz relativa a essa temática, por meio da revista, editada pelo Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes). A realização do debate resulta de parceria entre o Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Ensp/Fiocruz, o Cebes e o Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE-Fiocruz), que fará a transmissão online pelo blog CEE-Fiocruz.

"O debate de lançamento pretende explicitar os estudos presentes na revista em torno de duas áreas do conhecimento: saúde e trabalho e saneamento ambiental", explica Aldo Pacheco Ferreira, pesquisador do DIHS/Ensp e um dos editores da Saúde em Debate. Aldo defende a necessidade de um olhar mais acurado sobre o processo de perda de direitos sociais, como o direito à saúde, e de precarização do trabalho no Brasil. "A saúde pública está sofrendo um golpe com as atuais reformas, que não medem, por exemplo, condições de saneamento, jornada de trabalho e do transporte para o trabalhador", observa. "Não há incentivo à ampliação da mão de obra especializada e à criação de condições de trabalho. Em vez de se aumentar a qualidade do trabalho, tem se buscado aumentar o ganho da produtividade, o que não traz lucro a ninguém", explica, destacando que o debate irá discutir os trabalhos apresentados nessa edição especial, "contextualizando-os dentro dessa inquietude".

Com uma série de artigos atuais, desenvolvidos por alunos e docentes do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Ensp/Fiocruz, a revista discute temas como: violência doméstica e trabalho; saúde e trabalho infantil; políticas de redução de desastres ambientais; trabalho agrícola feminino; trajetórias educacionais e ocupacionais de trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS); a reorganização do trabalho na Previdência Social; riscos e proteção da saúde dos trabalhadores da sericultura; avaliação do trabalho na atenção primária à Saúde; associação entre malformações congênitas e a utilização de agrotóxicos; ecologia política; políticas de saúde do trabalhador e saúde mental; imigração; e exposição ocupacional a substâncias químicas.

Além de Aldo, participaram da organização da edição temática Maria Helena Barros de Oliveira, coordenadora do DIHS/Ensp; Telma Abdalla de Oliveira Cardoso (DSSA/Ensp); Simone Cynamon Cohen (DSSA/Ensp) e Débora Cynamom Kligerman, do Departamento de Saúde Ambiental da Ensp (DSSA/Ensp); e Katia Reis de Souza, do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Ensp/Cesteh).  

De acordo com Maria Helena Barros, a iniciativa visa fortalecer o campo da saúde pública. "A revista alinha-se à missão da Fiocruz de intervir e garantir a manutenção da saúde para a população, bem como fortalecer o SUS. É um conteúdo ao mesmo tempo específico e abrangente, com questões intrínsecas ao desenvolvimento do país, visto que temos, atualmente, problemas de saúde relacionados ao trabalho e ao ambiente no Brasil", explica, observando que a discussão sobre essa temática precisa se dar dentro de um contexto democrático. "A questão de saúde como direito humano só se concretiza em uma democracia. Temos neste momento duas discussões muito importantes: a reforma trabalhista, que precariza ainda mais as condições de trabalho, retira direitos e impõe mais riscos ao trabalhador, e a reforma da Previdência Social", aponta.

Para apresentar e discutir os principais temas da edição no evento de lançamento, participarão da mesa de debates, além de Maria Helena Barros e Simone Cynamom, Maria Cristina Rodrigues Guilam, coordenadora Geral de Pós-Graduação da Fiocruz; Nilson do Rosário, pesquisador do Departamento de Ciências Sociais da Ensp/Fiocruz; Cristiani Vieira Machado, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública; Maria Lucia Frizon Rizzotto, diretora de Política Editorial do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde; e Antonio Ivo de Carvalho, coordenador do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE-Fiocruz).

 

Mais na web

Voltar ao topoVoltar