Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

09/05/2019

Presidente do Inasa de Guiné-Bissau visita Fiocruz


Por: Julia Dias (Agência Fiocruz de Notícias)

O presidente do Instituto Nacional de Saúde Pública de Guiné-Bissau (Inasa), Dionísio Cumba, esteve na Fiocruz (3/5) para discutir novas formas de cooperação com a Fundação. O instituto já possui um Convênio de Colaboração bilateral com a Fiocruz, assinado em 2015, que deve ser ampliado.

“A área de saúde é a que mais sente quando o país vive um contexto difícil”, afirmou o presidente do Inasa. O país africano tem um histórico de instabilidade política desde a sua independência e seu produto interno bruto (PIB) per capita é um dos mais baixos do mundo.

O projeto de apoio à concepção e construção de um Laboratório Nacional de Saúde Pública (LNSP) do Inasa foi o principal tema tratado durante a visita, que incluiu uma reunião com dirigentes de várias unidades da Fiocruz. Participaram desta reunião representantes do Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz), da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz), da Escola de Governo, da Escola Politécnica em Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) e do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e o Secretário da Rede de Institutos Nacionais de Saúde Pública da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (Rinsp-CPLP), Félix Rosenberg.

O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde, Marco Krieger, representou a presidência da Fiocruz em uma segunda reunião. Ele demonstrou o empenho da Fundação em ampliar a cooperação com o país. “Queremos encontrar soluções que se adequem à nossa capacidade e às necessidades de Guiné-Bissau”, explicou.

Entre as necessidades discutidas, estão a infraestrutura necessária para o estabelecimento do laboratório e a capacitação de profissionais, a exemplo do que já ocorre em outros países africanos, como Moçambique. Outra cooperação já iniciada e que deve avançar é a criação de um Banco de Leite no país. 

“Criança morrer por fome é algo que choca muito. Então, esta área da saúde materno-infantil é prioritária para nós”, disse Cumba. A Fiocruz possui longa experiência nessa área, com o trabalho do Instituto Nacional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) sendo uma referência internacional.

Esse é mais um passo da cooperação entre a Fiocruz e a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que é coordenada pelo Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz). Para Augusto Paulo Silva, coordenador do Cris/Fiocruz para África e CPLP, esta é uma cooperação de extrema importância e o laboratório do Inasa é um projeto pioneiro para Guiné-Bissau, que ele acredita ter potencial para se tornar um modelo na história da cooperação Brasil – África.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar