Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Agenda Laranja + Meninas debate segurança e ativismo nos meios digitais


09/12/2020

Por Mayra Malavé Malavé (Colaboração: Everton Lima)

Compartilhar:

O Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) realizou, em 28/11, a 4ª edição da série virtual Agenda Laranja + Meninas, com o tema “Navegando Distraídas: Espaços (in)seguros?”, que permitiu o debate e a reflexão sobre segurança digital e ativismo de jovens nos tempos atuais. O encontro, que teve como mediadoras as jovens integrantes do grupo “Motirõ”, Maria Eduarda Bento e Juliana Machado, propôs um debate útil e necessário, sobretudo na conjuntura atual da pandemia, onde o que vem sendo chamado de novo normal está diretamente ligado ao aumento das interações digitais e da navegação pela internet.

Os profissionais do IFF/Fiocruz, convidadas e moderadoras refletiram sobre cibersegurança, Fake News e verificação de informações nos espaços virtuais. Clique aqui e assista o mais recente encontro da Agenda Laranja + Meninas

O evento contou com a participação de três ativistas digitais com respeitadas trajetórias. A pesquisadora de cibersegurança e embaixadora do “Programa Cidadão Digital”, criado por SaferNet em parceria com Facebook, Laila Lorenzon; a integrante da equipe jovem da organização Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação (Cepia), criadora do aplicativo “Partiu Papo Reto”, e membro da plataforma “Centros Urbanos” do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Kesia Santos; e a pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz), e criadora do aplicativo “Eu Fiscalizo”, Claudia Galhardi.

Na ocasião, a idealizadora da Agenda Laranja, Corina Mendes, destacou a importância de poder entrelaçar interesses e trajetórias individuais, como das convidadas com iniciativas institucionais, em espaços acadêmicos e de ativismo, para que avanços possibilitem maior segurança digital. “Isso, em um contexto como o da pandemia, possibilita que determinadas ações estejam acontecendo e que possamos conversar sobre o que estamos fazendo em prol de uma navegação mais segura”.

Nesse sentido, para a embaixadora do aplicativo “Programa Cidadão Digital”, criado por SaferNet e Facebook, com o objetivo de levar atividades sobre educação e cidadania digital para estudantes de escolas públicas de todo o Brasil, Laila Lorenzon, as parcerias com as grandes redes sociais e organizações “representam uma grande oportunidade para passar a mensagem para os adolescentes da necessidade de navegarem seguros pela internet”. Para Laila, o “Programa Cidadão Digital” é um exemplo disso, pois tem permitido incentivar comportamentos on-line positivos, orientar sobre como lidar com situações de discursos de ódio e cyberbulliyng, conscientizar sobre a importância da verificação das informações para evitar o compartilhamento de notícias falsas ou FakeNews, e, inclusive, para estimular os alunos a se manterem interessados e motivados para que possam interagir na nova modalidade de aulas on-line - isso depois que professores apontaram no aplicativo a situação como um desafio do contexto atual da pandemia.

Na sua participação, a convidada Kezia Santos, membro da equipe realizadora do “Partiu Papo Reto”, explicou a importância desse tipo de iniciativa para que os jovens contem com informações verificadas dentro de um espaço digital seguro, onde eles consigam expor suas dúvidas e opiniões sobre temas de seus interesses, como educação em sexualidade, relacionamentos interpessoais e assuntos de gênero.

A criadora do aplicativo “Eu Fiscalizo” (EF), Claudia Galhardi, conversou sobre os riscos que podem representar a disseminação de informações não verificadas, e como o EF tem contribuído para a detecção de Fake News durante pandemia. “Inicialmente, o ‘Eu Fiscalizo’ foi desenvolvido para que a sociedade tivesse um canal de diálogo com a academia e com órgãos reguladores sobre a programação televisiva dirigida para crianças e adolescentes, para permitir-lhes notificar conteúdos nocivos ou impróprios da TV, cinemas, jogos eletrônicos, espetáculos e publicidade, mas que permite também denunciar qualquer falsa informação existente nas plataformas digitais”.

Conforme explicado por Claudia, isso fez com que as pessoas começassem a denunciar conteúdos geradores de desinformação relacionados à Covid-19, sendo a maioria sobre dicas de prevenção e cura, sem baseamentos científicos. Esse movimento permitiu o monitoramento desses conteúdos para a criação de ações e campanhas de conscientização sobre a importância de verificar as fontes das informações recebidas, antes de acreditar nelas e fazê-las circular.

Sobre a vulnerabilidade em espaços digitais, especialmente em tempos de coronavírus, o coordenador da Agenda Laranja, Marcos Nascimento, refletiu. “A pandemia levou as pessoas a se conectarem para poder fazer a vida acontecer a partir das ferramentas tecnológicas, o que expõe à população a uma série de riscos consideráveis, como se navegam de forma insegura na internet e acreditam em toda informação que recebem, sem antes verificá-la”.


Sobre a Agenda Laranja e o grupo Motirõ

A Agenda Laranja é uma iniciativa dos pesquisadores e professores do IFF/Fiocruz Corina Mendes e Marcos Nascimento, que promove, desde 2016, encontros que possibilitam a mobilização pelo fim da violência contra as mulheres e meninas, e que devido a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) foi adaptada, em agosto de 2020, para o formato on-line, mantendo o protocolo de distanciamento social como prevenção ao contágio.

As meninas integrantes do grupo “Motirõ”, que surgiu a partir do evento da Fiocruz “Mais Meninas na Ciência”, realizado em 11/2 e que contou com a participação de 51 meninas de escolas públicas do Rio de Janeiro, têm sido fundamentais na organização das edições da atual série virtual da Agenda Laranja.


Último encontro on-line de 2020

O próximo evento será no sábado, 12/12, às 15h, e abordará o tema “Juventude e Direitos Humanos: o que podemos fazer?”. Para participar, é só se inscrever no canal do YouTube da Agenda Laranja - ative o sino para receber a notificação da transmissão do novo encontro.

Voltar ao topoVoltar