Início do conteúdo

17/07/2017

Ensp promove debate após sessão do filme ‘A vida imortal de Henrietta Lacks’ (1/8)


Fonte: Ensp/Fiocruz

O Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Cep/Ensp/Fiocruz) dará continuidade às comemorações de seus 20 anos de atuação com uma sessão do Cinebioética no dia 1º de agosto. Será exibido o filme A vida imortal de Henrietta Lacks. Após a sessão, haverá debate com o professor da Universidade da Região de Joinville (Univille) Paulo Henrique França. A atividade, aberta aos interessados, está marcada para as 13 horas no salão internacional da Ensp e não necessita de inscrição prévia.

Sobre o filme*
Em 1951, Henrietta Lacks (Renée Elise Goldsberry) faleceu devido a um tumor no colo do útero. Sem seu consentimento ou de sua família, e se aproveitando de sua condição financeira desfavorável, pedaços do tumor que a matou foram removidos e utilizados em um estudo médico, que resultou em uma bilionária indústria de pesquisa.

Cinebioética
O Cinebioética é a quarta atividade promovida pelo CEP/Ensp em comemoração de seus 20 anos. O primeiro encontro, ocorrido em 17 de abril, debateu os direitos dos participantes de pesquisa no Brasil e, para isso, contou com a participação do coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), Jorge Venâncio. Segundo ele, a política de retirada de direitos dos participantes de pesquisa, prevista no Projeto de Lei 7.082/2017 (PLS 200/2015), é desastrosa. Além disso, apresenta inconstitucionalidade pela maneira como está sendo proposta.

O segundo encontro, realizado no dia 5 de junho, debateu os Biobancos na Fiocruz. Na ocasião, foi discutida a questão das pesquisas envolvendo seres humanos que lidam diretamente com coleta e análise de materiais biológicos e promovem o armazenamento das amostras em bancos para análises posteriores. Presentes ao encontro, Gustavo Stefanoff (Inca/representante da Conep), Jennifer Braathen Salgueiro (coordenação Cep/Ensp), Maria Hermoso (VPPCB/Fiocruz), Thereza Benévolo (IOC/Fiocruz) e Ricardo Brum (Biomanguinhos/Fiocruz). Leia mais aqui.

No terceiro encontro, realizado em 12 de junho, a discussão foi sobre vulnerabilidade e sua interface nas pesquisas com seres humanos. Para fomentar o debate, estiveram presentes o pesquisador do Departamento de Ciências Sociais (DCS/Ensp) Fermin Roland Schramm, a pesquisadora do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (CSEGSF/ENSP) Ângela Maria Coimbra, e a pesquisadora do Instituto Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) Maria Elisabeth Lopes Moreira.

*Com informações da HBO

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar