Início do conteúdo

19/05/2017

Debate sobre os Retrocessos nos Direitos Indígenas no Brasil acontece em 30/5


Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco)

A cada semana, uma nova ação tomada pelos poderes em Brasília busca aprofundar o retrocesso nos direitos dos povos e populações indígenas integrantes do Estado Brasileiro. Num cenário de dissolução de políticas públicas, não é possível falar em saúde indígena sem falar no primeiro, principal e princípio direito que é a terra. Para jogar luz sobre esse tema, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), com apoio da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz) e o Museu do Índio, organizou o #DemarcaçãoJá – Debate sobre os Retrocessos nos Direitos Indígenas no Brasil, que ocorrerá no dia 30 de maio, a partir das 10h, no Salão Internacional da Ensp/Fiocruz, em Manguinhos (RJ).

Promovido pelo Grupo Temático Saúde Indígena (GTSI/Abrasco), a atividade terá um debate, com a participação de Sandra Benites, liderança indígena do povo kuikuro e estudante do Museu Nacional (MN/UFRJ); Edinilsa Ramos de Souza, do Centro Latino-Americano de Estudos da Violência e Saúde Jorge Carelli (Claves/Fiocruz); e Carlos Coimbra, pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz). A mediação será de Ana Lúcia Pontes, pesquisadora da Ensp/Fiocruz e integrante do Grupo Temático Saúde Indígena (GTSI/Abrasco). Na parte da manhã, será exibido o documentário Martírio, que remonta as origens do povo Guarani Kaiowá e denuncia o genocídio por eles sofrido frente ao aparato do agronegócio.

Leia mais no site da Ensp/Fiocruz.

Voltar ao topoVoltar