Início do conteúdo

16/02/2017

Coletânea mostra que é possível projetar futuros favoráveis à saúde no Brasil


Fonte: Editora Fiocruz

Capa do livro Brasil Saúde AmanhãUm compromisso com o entendimento da realidade presente para a preparação do futuro, buscando influenciá-lo de modo a aproximar os horizontes desejados e afastar desvios indesejáveis. Essa é a proposta da coletânea Brasil Saúde Amanhã: população, economia e gestão, organizada por Paulo Gadelha, José Carvalho de Noronha, Sulamis Dain e Telma Ruth Pereira, lançamento da Editora Fiocruz. A partir das metodologias e ferramentas da prospecção estratégica, os autores trazem reflexões sobre o país que queremos em um horizonte de vinte anos. Apesar de apresentar um grau de incerteza grande, a prospecção estratégica – assumida como um exercício de reflexão permanente – possibilita identificar tendências, construir indicadores e intervir na realidade. Nesse sentido, os autores do livro proporcionam reflexões que buscam articular desenvolvimento econômico, social e ambiental.

“Prospectar o futuro é ter um programa de ação. É criar elementos para a articulação e indução de políticas econômicas e sociais, no interesse do desenvolvimento com equidade, fomentando o acesso e a inclusão de camadas excluídas, expandindo e assegurando direitos sociais às significativas parcelas da população que permanecem marginalizadas”, destacam os organizadores. “Tomando a realidade atual como ponto de partida e a materialização das aspirações como ponto de chegada, torna-se possível projetar futuros favoráveis ao desenvolvimento econômico e social, dos quais faz parte um patamar mais elevado de gasto público em saúde, compatível com a universalização do acesso, há tanto anunciada”, complementam.

A proposta da coletânea é que não se restrinja o olhar a um cenário imediato. Ao contrário, o objetivo é influenciar ativamente o planejamento nacional de médio e longo prazo no campo das políticas de saúde. Para tanto, é preciso compreender a saúde não como a mera oferta de um pacote de serviços, mas como uma construção social que abarca os mais variados setores – economia, política, cultura, demografia, saneamento básico, meio ambiente, agricultura, indústria, ciência e tecnologia, gestão pública etc.

Comprometido com a efetivação do SUS e a melhoria da saúde pública brasileira, o livro aborda temas como projeções do perfil epidemiológico do país, organização e gestão dos serviços de saúde, inclusive fornecendo um olhar regional e territorial sobre os assuntos discutidos. “Pensar e atuar sobre as desigualdades territoriais na saúde é o caminho para diminuir diferenças marcantes na oferta de serviços e ações, no acesso, nas barreiras de entrada ao sistema de saúde, bem como reduzir as desigualdades oriundas do meio socioeconômico e cultural e da forma como se dão as decisões políticas”, avalia professora Ana Luiza d’Ávila Viana, da Faculdade de Medicina da USP, que assina a orelha do livro.

Os capítulos analisam questões como a participação política e as novas organizações de representação de interesses ligados a políticas públicas e sociais; as transformações vividas pelo país no campo da demografia; a gestão pública; os cenários econômicos; o setor privado e os movimentos de internacionalização, fusões e aquisições no âmbito da saúde. Também ganha relevo no livro a questão da luta pela garantia de mais recursos para a saúde pública brasileira.

“Ainda há um longo caminho a percorrer para se alcançar um patamar razoável de gasto público em saúde no Brasil”, afirmam os organizadores. “Em um cenário ideal para a saúde pública no Brasil, os autores afirmam que seria necessário contar com um aumento significativo na participação do setor público em saúde – por exemplo, um crescimento de 50% sobre a composição atual”. A coletânea integra um conjunto de publicações resultantes da iniciativa Brasil Saúde Amanhã, rede multidisciplinar de pesquisa coordenada pela Fiocruz, com apoio do Ministério da Saúde.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar